>>>A Terapia da Fala e a sua intervenção na Dislexia
ARTIGOS
Olhamos
por si

A Terapia da Fala e a sua intervenção na Dislexia

Campanha Promocional Invisalign®! O novo tratamento da sua clínica dentária!

Acabaram as férias? Relaxe…

O que é a Incontinência Urinária?

ES-web-artigo-TF-dislexia-ARTIGO

 

Na dislexia verifica-se um comprometimento na linguagem, que condiciona a forma como o cérebro codifica as características fonológicas das palavras faladas. Este comprometimento é caracterizado por alterações na descodificação das palavras, que resulta num insuficiente processamento fonológico, que não está de acordo com a idade e/ou capacidades cognitivas.

É neste âmbito que o Terapeuta da Fala intervém. Este avalia as áreas da linguagem (semântica, morfossintaxe e fonologia) e analisa a fala em discurso espontâneo, assim como a leitura e a escrita. O Terapeuta da Fala irá dar importância à linguagem na sua vertente escrita, uma vez que os erros relacionados com uma dificuldade na discriminação auditiva são bastante frequentes (por exemplo: trocar as consoantes s/z, x/j, f/v ou s/x). A criança pode ser capaz de produzir os fonemas de forma correta, porém não ter consciência de pequenas diferenças nos seus traços, como vozeamento/desvozeamento ou pontos articulatórios muito próximos, facto que se reflete depois na escrita. Podem ainda verificar-se erros de carácter metalinguístico, como juntar ou separar palavras.

Boas competências de leitura e escrita, implicam boas competências no processamento fonológico. Em contexto pré-escolar são desenvolvidas atividades (como jogos de palavras e músicas) que apelam à sensibilidade para as rimas, segmentação silábica e fonémica, tornando a criança consciente da existência de unidades mais pequenas, dentro de cada palavra: os fonemas. Devido à complexidade envolvida no processo, a maior parte das crianças requer um adulto para esta compreensão.

O Terapeuta da Fala desempenha um papel fundamental na prevenção, avaliação e intervenção em crianças que, devido a um problema de linguagem ou a um baixo domínio da mesma, demonstram dificuldades na aquisição da leitura/escrita. Para além do trabalho de estimulação fonológica, intervém ainda noutros aspetos linguísticos, uma vez que estas crianças necessitam de capacidades em todos os domínios linguísticos, para aceder aos conceitos semânticos e morfossintáticos, que estão implicados na compreensão de textos.

 

Laura Geração, Terapeuta da Fala.

JUNTE-SE A NÓS

NEWSLETTER

Contamos com os profissionais especializados para o ajudar.